Rei Leão

 A história de um príncipe que tem seu pai, o rei, assassinado por um tio invejoso e traidor. O fantasma que aparece para revelar ao filho herdeiro sobre o ocorrido. Parece familiar? Sim, a trama central de O Rei Leão é inspirada em uma das peças mais famosas de William Shakespeare: Hamlet. No filme da Disney o príncipe recebe o nome de Simba, o rei Hamlet é Mufasa, o tio Cláudio vira Scar, e diversas outras analogias e comparações podem ser encontradas entre a obra do autor inglês e o filme infantil.

O Diário de Bridget Jones

 Um dos filmes mais divertidos do começo dos anos 2000 tem origem, na verdade, no século 19. O livro O Diário de Bridget Jones, de Helen Fielding, é uma reinterpretação contemporânea de Orgulho e Preconceito, da inglesa Jane Austen. Naturalmente, quando o livro foi adaptado para o cinema a referência permaneceu. Outro fato curioso é a escalação de Colin Firth para interpretar Mr. Darcy (nome dado também ao protagonista de Austen). O ator inglês já havia vivido esse personagem na versão para BBC de Orgulho e Preconceito, em 1995.

Dez coisas que eu odeio em você

 Julia Stiles vive Kat, a menina mais desagradável e temperamental do colégio. Sua irmã mais nova, Bianca, quer muito sair em encontros com meninos. Porém, o pai rígido estipula uma regra: Bianca só poderá sair se a irmã mais velha também tiver um pretendente. Então Patrick, um bad boy misterioso vivido por Heath Ledger, é contratado para conquistar Kat. Essa trama é uma reprodução versão high school de A Megera Domada, de William Shakespeare. Até os nomes do casal principal (Kat é um apelido para Katherina) foram mantidos como na obra original.

As Patricinhas de Beverly Hills

 Esse talvez seja o título mais chocante da lista. Mas sim, As Patricinhas de Beverly Hills tem uma origem clássica, mesmo sendo um dos filmes ícones dos anos 1990. O longa estrelado por Alicia Silverstone é baseado em Emma, livro publicado em 1815 por Jane Austen. Cher, a personagem de Silverstone, é nitidamente inspirada na protagonista de Austen. Ambas perderam a mãe ainda crianças, interferem em relacionamentos amorosos alheios, são lindas, ricas e levemente superficiais.

Uma Linda Mulher

O filme que fez de Julia Roberts uma estrela em escalas globais é levemente inspirado no livro Pigmalião, do irlandês George Bernard Shaw. A obra literária, datada de 1913, conta como uma mulher humilde entra nos círculos restritos da alta sociedade e se transforma em uma jovem elegante, refinada e educada. No livro de Shaw a personagem principal é Eliza Doolittle, uma vendedora de flores rústica e de maus modos, já no filme de Garry Marshall, a protagonista, Vivian, é uma prostituta. Vale lembrar que Pigmalião também deu origem a outro filme famoso: My Fair Lady.