Será que damos atenção às músicas que saímos cantarolando por aí? Uma coisa é certa, assim como poemas, as músicas podem ter diversas interpretações, porém quem dá a voz final é o próprio compositor. Confira algumas canções conhecidas e as histórias por trás delas.

TICKET TO RIDE – THE BEATLES

Do álbum Help!, dos Beatles, Ticket to Ride é aparentemente uma música sobre uma garota indo embora da vida do eu lírico, com uma passagem de trem em mãos. Bonitinha, um hit na época, mas olha só que bacana: segundo John Lennon, a música não fala nada sobre isso.

Existem, na verdade, duas versões sobre o verdadeiro significado dessa música. Uma delas é um pouco duvidosa, do próprio autor, John Lennon, que era bastante conhecido por brincar em entrevistas, inventando histórias tão bem contadas que todos acreditavam que eram verdade. A outra versão, talvez com um pouco mais de credibilidade, foi de Paul McCartney em uma entrevista ao seu biógrafo Barry Miles. As duas versões são o seguinte:

Segundo John, a música é sobre as prostitutas de Hamburg, que andavam com uma espécie de cartão que comprovasse isenção de DSTs, e só assim poderiam trabalhar livres pelas ruas da cidade. Mas, segundo Paul, Ticket to Ride é uma música sobre alguém indo para um bar que sua prima tinha em Ryde, que ele e John haviam visitado dias antes de compor a música.

Cabe a nós decidir qual versão é a mais plausível – ou a mais interessante.

IRON MAN – BLACK SABBATH

Pois é, a música Iron Man,da banda Black Sabbath, infelizmente não é sobre nosso tão adorado Tony Stark. Aliás, não é nem sequer sobre um homem de armadura; a música, na verdade, é de uma viagem muito mais louca que isso.

Segundo Geezer Butler, o baixista da banda na época, Ozzy apareceu com essa história de um homem que viaja no tempo e vê o futuro do nosso planeta, que não é muito bacana. Na volta, ele passa por algum tipo de tempestade magnética e tem seu corpo transformado em ferro. Ele tenta avisar a todos sobre a visão que teve, e aí entram duas versões diferentes sobre essa história: em uma delas, ele não consegue falar porque é feito de ferro, e no fim acaba deixando pra lá porque, afinal de contas, ele é feito de ferro e quem precisaria disso se fosse feito de ferro?; e na outra, ninguém liga mesmo e, furioso, acaba causando aquele futuro horrível que ele próprio tentou evitar.

Eu sou um grande fã do Homem de Ferro dos quadrinhos, mas, cá entre nós, essa história é muito mais maneira, e deve ser muito mais legal pra esse viajante do tempo de ferro dizer “I AM IRON MAN!”

LIKE A VIRGIN – MADONNA

Segundo Quentin Tarantino, Like a Virgin, da grande diva do pop, Madonna, é uma música sobre uma relação sexual onde a dor foi tanta para o eu lírico feminino que ela sentiu como se estivesse perdendo a virgindade novamente. Mas é claro que não é da cena inicial do filme “Cães de Aluguel” que vamos tirar o verdadeiro significado desse grande hit, responsável por tornar Madonna a grande “taboo sex queen” do mundo pop. E, olha, muito menos de sua letra.

Para conhecer o real sentido da música devemos ir atrás de seu compositor, Billy Steinberg e só assim descobrimos que o hit é muito mais careta do que seria possível imaginar. Billy deu uma entrevista ao Los Angeles Times onde explicou que a letra, na verdade, foi escrita quando ele estava tentando superar um antigo relacionamento, do qual o término lhe fez muito mal. Quando finalmente conseguiu ter algo com outra pessoa, e começando esse novo relacionamento, se sentiu tão bem ao seu lado que era como se estivesse se sentindo virgem novamente.

E eu aposto que você nunca tinha escutado essa música pensando “Awn, que romântico”.

SPACE ODDITY – DAVID BOWIE

Essa eu sei que é bem óbvia, mas a coloquei aqui por ter feito parte de um acontecimento bastante interessante. Space Oddity, do maravilhoso David Bowie, foi por muito tempo – principalmente na época – considerada uma música sobre a tão falada Space Landing, no ano de 1969, a chegada do homem à lua. O bacana é que a televisão britânica até escolheu a música para ser a trilha sonora da própria exibição da aterrissagem, o que é totalmente bizarro se você reparar na letra.

No fim, é mais do que claro que Space Oddity foi, na verdade, escrita inspirada no filme de Stanley Kubrick, “2001 – Uma Odisséia no Espaço”. O próprio Bowie acha engraçado a BBC ter escolhido sua obra para o acontecimento na época e diz que não foi a melhor escolha para se tocar durante o evento, considerando que, na letra, Major Tom corta sua comunicação com a Terra e se perde no espaço.

CÁLICE – CHICO BUARQUE E GILBERTO GIL

Ok, ok, não precisa me xingar. Eu sei que todo mundo sabe que essa música foi, como tantas outras, uma crítica à ditadura, mas o que me fez colocá-la nessa lista, no lugar de tantas outras, foi minha motivação em fazer parar e refletir novamente sobre ela e suas analogias. Cálice, de Chico Buarque e Gilberto Gil, foi, obviamente, censurada durante a ditadura militar no ano em que foi composta (1973), sendo lançada oficialmente apenas em de 1978, já com a participação de Milton Nascimento nos trechos anteriormente cantados por Gil.

Mas vamos lá ao que interessa, então. Peço que primeiro você preste atenção no refrão: “Pai, afasta de mim esse cálice/ Pai, afasta de mim esse cálice/ Pai, afasta de mim esse cálice/ De vinho tinto de sangue.” E olha aí a genialidade. Todo mundo sabe que a música foi escrita por causa da ditadura, mas pouca gente presta atenção na ambiguidade da palavra “cálice”, que pode ser lida também como a forma no imperativo do verbo calar: “cale-se”. “Afasta de mim esse ‘cale-se’”, contra a censura da ditadura. Outra parte bacana – em meio a tantas outras analogias que não citarei por serem realmente muitas – é a brincadeira que fica subentendida nas rimas da primeira estrofe da obra. “Como beber dessa bebida amarga/ Tragar a dor, engolir a labuta/ Mesmo calada a boca, resta o peito/ Silêncio na cidade não se escuta/ De que me vale ser filho da santa/ Melhor seria ser filho da outra/ Outra realidade menos morta/ Tanta mentira, tanta força bruta.”

Percebe como a palavra “outra” parece não se encaixar com as outras que rimam durante essa estrofe? “labuta”, “escuta” e “bruta”. Que será que isso quer dizer?

Pois é. O que é que rima com “labuta”, “escuta” e “bruta” e se encaixa na frase:

“De que me vale ser filho da santa? Melhor seria ser filho da…”