No começo de março, a marca de cereal Honey Maid veiculou um anúncio diferente. Um comercial que deixaria o deputado federal Salvador Zimbaldi – autor do projeto de lei que quer proibir famílias gays em comerciais brasileiros – de cabelos em pé.

Além de exibir pais gays no anúncio, o filme também celebrou pais de etnias diferentes. Muita gente gostou. Mas houve críticas. Muitas. O que a marca fez? Deu o troco. E com classe.

A Honey Maid chamou duas artistas. Elas imprimiram todos os comentários preconceituosos e homofóbicos em folhas de papel.

O objetivo era selecionar toda a repercussão negativa e transformá-la em algo bom. As folhas foram enroladas como se fossem tubos. Um pouco de cola quente e pronto, a resposta estava acabada.

A Honey Maid transformou o ódio em amor numa resposta classificada como “épica” entre os internautas que comentaram o vídeo.

A criação tem assinatura da premiada Droga5, de Nova York.

Veja:

Confira o comercial original: