1. O líder que convencia pessoas a cometerem suicídio

(Imagem: Reprodução/Oddee)

Marshall Applewhite e seu sócio Bonnie Nettles são os responsáveis pelos conhecidos “cultos da porta do paraíso”, reuniões que tinham como objetivo ressaltar a existência dos dois como seres superiores que tomaram conta de dois velhos corpos humanos com o objetivo de repassar seus ensinamentos à humanidade.

Os dois conseguiram muitos seguidores, pessoas que acreditavam que o mundo passaria por um processo de “reciclagem”. O problema é que esse procedimento, para ser completo, exigiria que cada fiel acabasse com a própria vida – partir dessa para melhor seria, na verdade, a única forma de sobrevivência para as almas de quem se sacrificasse.

Em 1997 Applewhite deu um ultimato a seus seguidores, explicando que aquele era o momento da tal reciclagem e que todos que se matassem poderiam seguir com ele em sua nave espacial, na companhia de Jesus Cristo (!). A promessa era a de que, depois da morte, as almas desses seguidores iriam para outro nível de existência, além da concepção humana.

Ao total, 38 pessoas, incluindo o próprio Applewhite, seguiram em direção ao tal nível existencial. Detalhe: para entrar na nave espacial, cada passageiro deveria pagar US$ 5,75.

2. O assassino que afirma ser Deus

(Imagem: Reprodução/Oddee)

Esse é um caso mais recente, relatado no ano passado, quando Zachary Joseph Cooper, um jovem de 25 anos, foi dispensado do exército norte-americano por apresentar histórico de doença mental. Ele foi então morar com a mãe, de quem recebia cuidados. Além disso, contava com a ajuda do vizinho Tony Morales, de 70 anos.

Em um dia normal, a mãe de Cooper saiu às compras e ele simplesmente começou a bater em Morales com um taco de baseball – o vizinho acabou morrendo em consequência das agressões. Quando a mãe voltou para casa, encontrou o filho sem roupas, feliz, narrando sua passagem pelo paraíso. Foi então que ele passou a dizer que era Deus. O jovem dizia à mãe que havia matado o demônio. Cooper foi acusado de assassinato e preso, sem direito à fiança.

3. O caso de Charles Manson

(Imagem: Reprodução/Oddee)

Você sabe que a década de 1960 foi tida, pelo menos nos EUA, como a era da paz e do amor, quando hippies tomavam conta dos festivais de música da época e transmitiam mensagens positivas a todas as pessoas. Foi também nesse mesmo período que Charles Manson criou um grupo de pessoas dispostas a evitar o que o líder chamava de “guerra das raças”.

Dizendo ser Deus, Manson angariou muitos discípulos e todos foram morar em um rancho perto de Los Angeles. Lá, eles eram conhecidos como “A Família”. O convívio entre líder e seus súditos incluía o consumo de álcool, drogas e a prática de sexo livre.

Durante as reuniões da “cúpula”, Manson alertava a todos a respeito do massacre futuro, quando negros matariam todos os brancos possíveis. Não demorou para que, a mando dele, seus seguidores começassem a chacina: eles invadiam casas e massacravam seus moradores. Entre as vítimas de Manson, a mais famosa é a atriz Sharon Tate, que foi morta por ele aos 26 anos, quando estava grávida.

Os assassinatos causaram uma onda de terror entre os moradores, que se trancavam em suas casas com medo de serem as próximas vítimas. O grupo eventualmente foi preso e todos os membros condenados à prisão perpétua.

4. A mulher Deus

(Imagem: Reprodução/Oddee)

Em abril de 2013, Alexandra Barnes, de Daytona Beach, na Flórida, resolveu colocar fogo em um posto de gasolina. Enquanto tentava fugir, uma testemunha que viu toda a cena resolveu correr atrás dela e a deteve, mas Alexandra conseguiu escapar novamente.

Ela chegou até seu carro, que já estava encharcado de gasolina, e ateou fogo no veículo. Em seguida, começou a gritar e dizer que seus bebês estavam no interior do automóvel – foi aí que uma segunda testemunha, Larry Romero, entrou em ação. Os bebês eram, na verdade, os cachorros de Alexandra. Felizmente Larry conseguiu retirar os animais do carro e segurar a mulher, que estava sentada no meio da rua, dizendo ser Deus.

Ela foi levada ao hospital e, de acordo com o dono do posto de gasolina, o único estrago causado pelo incêndio foi uma bomba de combustível, que derreteu.

5. Bad trip

(Imagem: Reprodução/Oddee)

O jovem Michael Joseph Silecchia, de apenas 19 anos, deu trabalho à polícia da Flórida quando resolveu fazer um grande escândalo no residencial onde morava. Ele corria pelos corredores dizendo que era heterossexual e Deus.

Em seguida, ele resolveu tirar a roupa e implorar aos policiais para que não cortassem seu pênis fora. Após alguns instantes, porém, o jovem mudou de ideia e tudo o que ele queria era que seu órgão sexual fosse retirado. Nervoso, ele acabou batendo em uma policial, o que fez com que os outros oficiais acabassem utilizando uma arma de choque para contê-lo.

Algum tempo depois do ocorrido, Michael contou aos policiais que havia consumido LSD e que seu momento Deus tinha sido uma grande alucinação. O rapaz foi preso e encaminhado para avaliação médica.