Finalmente foi encontrado um planeta que faz jus ao seu nome: “planeta” é uma palavra grega que significa “errante, vagabundo”, alguém que fica vagando por aí.

O novo planeta encontrado não está orbitando nenhuma estrela; apenas viaja pela galáxia, aparentemente na companhia de algumas estrelas também errantes.

A descoberta foi feita por astrônomos usando o telescópio do consórcio Canadá-França-Havaí, e suas propriedades foram investigadas usando o VLT (Very Large Telescope, Telescópio Bem Grande) da ESO (Observatório Europeu do Sul, na sigla em inglês).

O nome do planeta é CFBDSIR2149. Ele não é o primeiro candidato a planeta errante encontrado, mas é o primeiro que tem sua idade estimada, o que indica que pode ser uma anã marrom. Ele se encontra a uma distância de 100 anos-luz. Sua proximidade, além da ausência de uma estrela muito brilhante próxima ao objeto, permitiu que a equipe estudasse sua atmosfera com detalhes.

O planeta errante descoberto parece fazer parte de um fluxo de jovem estrelas conhecido como o Grupo Móvel AB Doradus. Este fato, se confirmado, permite a dedução de várias de suas propriedades, como sua temperatura, massa e composição atmosférica: ele deve ter entre 50 e 120 milhões de anos, uma temperatura de aproximadamente 400 graus Celsius, e quatro a sete vezes a massa de Júpiter.

Expulso de casa?

Acredita-se que os planetas errantes sejam formados da mesma forma que os planetas normais. Mais tarde, foram “expulsos” de seus sistemas de origem. Outra hipótese é que se formam como objetos solitários, como as menores estrelas ou anãs marrons.

Determinar se é um planeta expulso, ou um indivíduo de um grupo que vai das mais massivas estrelas até as menores anãs marrons vai ajudar a entender mais sobre como os planetas podem ser ejetados de seus sistemas planetários, ou como objetos bem leves podem emergir de processos que de outra forma dariam origem a uma estrela.

Os pesquisadores querem continuar procurando por planetas errantes para estudá-los melhor.