Na selva de concreto, que é São Paulo, encontramos a cada passo pessoas igualmente de concreto e “almas tão vazias”, como canta o rapper Criolo. Mas, para a fotógrafa Daia Oliver, existe amor em SP.

“Existe, sim, e é bem diversificado; quando a pessoa para de procurar, o amor acontece”, disse ao Brasil Post. Na sua mais nova exposição, ela registra a poesia de 14 casais – 11 deles, moradores da capital paulista.

Bem-me-quer busca mostrar como o amor derruba as fronteiras de todo tipo de preconceito e celebra a aceitação das diferenças. “Alguma coisa te conecta àquela pessoa, e você passa por cima de peso, de cor, de necessidade especial, passa por cima de tudo para ficar perto dela”, conta Daia, com base nas histórias capturadas pelas lentes dela.

A exposição, aberta ao público ao longo deste mês dos Namorados, deve acalentar os solteiros românticos e fomentar a reflexão dos casais já apaixonados. “Todo mundo acha o seu par e se sente bem por ser aceito”, conclui a fotógrafa.

As 14 imagens de Bem-me-quer podem ser vistas na Passagem Literária da Consolação, na esquina da avenida Paulista com a rua da Consolação. Fica no lado externo do antigo Belas Artes, em São Paulo (SP).

A exposição está aberta o dia todo, até 30 de junho. A visita é gratuita.