Pesquisadores confirmaram o que todos nós já suspeitávamos desde o início: Pais e filhos realmente falam linguagens diferentes na internet.

Nesta nuvem de palavras, os pesquisadores mostram as diferenças de vocabulário entre pessoas de 13 a 18 anos (acima) e pessoas com mais de 30 anos (abaixo). Emoticons, relações afetivas, desejos, escola e pedidos de likes são mais frequentes nos jovens, enquanto os mais velhos falam de suas famílias, religião e amigos.

Mas essa diferenciação também ocorre entre pessoas introvertidas e extrovertidas; homens e mulheres; e também os neuróticos e aqueles mais calmos.

O periódico PLOS ONE acaba de publicar os resultados do maior estudo já feito sobre personalidade e linguagem. As descobertas oferecem um olhar sem precedentes em como diferentes de idade, gênero e temperamento afetam como nós nos comunicamos nas redes sociais.

Utilizando mais de 15 milhões de mensagens postadas por 75000 usuários do facebook, pesquisadores da Universidade da Pensilvânia puderem descobrir quais palavras, frases e tópicos estão mais relacionados com certas personalidades e grupos demográficos.

Mulheres foram mais propensas em utilizar a palavra “excited” (cuja tradução mais adequada ao português é provavelmente “animada”); homens, por sua vez,  utilizaram a palavra “fuck” com mais frequência (podendo apresentar, assim como a maioria dos palavrões em português, tanto um significado sexual quanto o de uma interjeição). Aqueles com idade entre 19 e 22 anos falam em ficar “drunk” (bêbado), enquanto aqueles entre 23 e 29 anos optam por dizer que estão “drinking beer” (bebendo cerveja).

“Consideradas como um todo, essas nuvens de palavras fornecem uma janela sem precedentes ao mundo psicológico das pessoas com uma dada característica,” disse Johannes Eichstaedt, a co-autora do estudo, em uma coletiva de imprensa.
Os vastos dados disponíveis via Facebook permitiram que os pesquisadores tomassem uma abordagem do tipo “vocabulário aberto” em sua análise: em vez de comparar a frequência com a qual diferentes grupos usaram certos grupos de palavras predeterminados, eles puderam “[obter] palavras e frases significativas na amostra em si.”

O que você diz aos quinze anos ;)

No Facebook, a linguagem dos jovens é repleta de emoticons, referências à escola e interjeições como “ugh” and “bleh” (de nojo, desprezo). Aqueles com “20 e poucos” anos passam mais tempo discutindo suas aulas, semestres e utilizam muito a palavra “sh*t” (interjeição de surpresa negativa), enquanto pessoas com “20 e tantos” anos geralmente discutem casamentos, dias de folga e estar no trabalho. Para indivíduos entre 30 e 65 anos, a família domina como tema das postagens.

Abaixo, uma prova adicional de que existe de fato uma diferenciação entre a geração “me” [já discutida em outro post AQUI no QGA, nele chamada de Geração Y] e a geração “we” — e mais material para provar de que os jovens são narcisistas na internet:

Neste gráfico, é facilmente visto que o uso da palavra “eu” (em vermelho) diminui com a idade, enquanto o uso da palavra “nós” (em verde) aumenta.

Reclamações também diminuem com a idade. Conforme as pessoas envelhecem, seus posts no facebook apresentam menos vezes a expressão “freakin annoying” (irritante demais) e mais vezes as expressões “loving”, “caring”, “honest”, “family” and “friends”. (Amar, importar-se, honestidade, família e amigos, respectivamente.)

Palavras como “família”, “amigos”, “maravilhoso”, “honestidade”, “incrível” e “ato de amor” têm seu uso mais frequente em pessoas mais velhas; já palavras como “ódio”, “foda”, “estúpido”, “puta”, “irritante e “irritado” apresentam um uso mais frequente em pessoas mais jovens.

Introvertidos falam sobre a internet, extrovertidos falam sobre festas

Pessoas de diferentes personalidades gravitam em torno de diferentes palavras e tópicos, aponta o estudo. Extrovertidos estavam mais propensos a discutir “chillin” e “parties” (relaxar e festas), e os introvertidos por sua vezes estavam focados em atividades que não envolvem outras pessoas, como “manga”, “anime” e “computer”. Os pesquisadores também ressaltaram uma conexão entre indivíduos “emocionalmente estáveis” e sua tendência a discutir atividades em grupo, como esportes e viagens, o que, segundo os pesquisadores, pode “gerar maior estabilidade emocional”.

Os pesquisadores afirmam que os resultados do estudo também podem mostrar às pessoas como é o mundo aos olhos de outras pessoas.

“Quando eu me pergunto, ‘Como é ser extrovertido?’, ‘Como é ser uma garota adolescente?’, ‘Como é ser um esquizofrênico ou um neurótico?’ ou ‘Como é estar em seus 70 anos?’, essas nuvens de palavras chegam muito mais próximo do âmago dessa questão do que todos os questionários existentes,” disse Martin Seligman, do Centro de Psicologia Positiva da Universidade da Pensilvânia.

Introvertidos e extrovertidos – estes falam de festas, reuniões de amigos e viagens, já aqueles falam de jogos e animê, além de utilizarem muito mais emoticons.

Ele disse, ela disse

Em um email, H. Andrew Schartz, um dos co-autores do estudo, salientou que as descobertas do estudo não ressaltam os tópicos discutidos entre homens e mulheres, pelo contrário, ressaltam as expressões que os diferenciam.

“A maior parte da linguagem dos homens e mulheres é igual,” ele disse. “Na verdade, se essas nuvens de palavras fossem simplesmente baseadas em frequência, elas seriam praticamente iguais. Nossas análises quantitativas foram feitas de forma a encontrar as diferenças.”
O modelo utilizado pelos pesquisadores foi capaz de prever o gênero de um indivíduo pelos seus padrões de linguagem com uma precisão de 91,9%, o estudo observou.

Homens (abaixo) e mulheres (acima) apresentam discrepâncias em suas formas de se expressar: nas nuvens acima, é possível ver que as mulheres utilizam mais emoticons do que os homens, além de falarem sobre compras, roupas e emoções positivas com mais frequência. Os homens parecem falar sobre esportes, política, economia e videogames, além de utilizarem mais palavrões.

Você pode conferir a pesquisa na íntegra AQUI.