(Imagem: Reprodução/Prefeitura de Saitama)

Há cerca de um mês, uma escola pública do município de Saitama, região metropolitana de Tóquio, no Japão, tem distribuído a seus alunos a cartilha “De quem você vai gostar”. O material representa uma tentativa de discutir a diversidade sexual com crianças e adolescentes.

Por meio de setas, são retratadas diversas formas de relacionamento entre os seres humanos. A iniciativa é importante em um país como o Japão, onde 69% dos homossexuais dizem ter sofrido algum tipo de discriminação, segundo pesquisa da Campanha do Laço Branco pelo Respeito à Vida.

A cartilha traz a ideia de que a escolha da orientação sexual tem de ser respeitada e não deve se submeter a valores sociais e culturais. Abaixo, um trecho do texto:

“Quando os jovens atingem a puberdade, muitas vezes eles gostam de outras pessoas, e isso é chamado de atração sexual. Dependendo de quem gosta uma pessoa, esta é a sua orientação sexual. A maioria é heterossexual, mas as pessoas que são homossexuais e bissexuais não formam um pequeno grupo. A orientação sexual é inata e não pode ser alterada por uma intervenção; por isso, não há necessidade de alterar suas preferências. Quando se trata de compreender a orientação sexual, deve-se levar tanto tempo quanto for necessário.”