No dia 13 de julho, o Maracanã vai ser palco do que promete ser o maior confronto futebolístico de todos os tempos: uma final de Copa do Mundo entre Brasil e Argentina. Pelo menos é o que defendem os estatísticos da USP e UFSCar que fazem parte do Grupo de Modelagem Estatística no Esporte (GMEE) – na Copa de 2010, eles acertaram que a final seria disputada por Espanha e Holanda, e também cantaram a bola de que a Espanha levaria o título.

Estatístico da USP e da UFSCAR

Segundo os pesquisadores, a seleção brasileira tem 43,1% de chances de chegar à finalíssima, seguida pela Argentina, com 39,7%, e pela Espanha, com 20,5%. Na partida decisiva, os números também confirmam o favoritismo brasileiro: 30,3%, contra 25,3% dos hermanos.

O grupo também calculou as chances que cada uma das 32 seleções têm de serem campeãs, bem como as probabilidades de chegarem às oitavas, quartas e semi-finais. Para a primeira fase, o modelo estatístico prevê as chances de classificação das seleções nos grupos, e inclui também estimativas para cada jogo.

Basicamente, o modelo agrega informações de 18 sites de apostas, além de levar em consideração os placares das partidas ao longo do torneio. Os estatísticos também calculam as probabilidades para os times nos campeonatos inglês, espanhol e brasileiro. “Esperamos que esta iniciativa sirva para ilustrar o potencial que a Estatística tem para lidar com problemas nas mais diversas áreas do conhecimento, e que seja um incentivo para que estudantes se interessem pelo curso de Estatística”, diz Luís Salasar, pesquisador do GMEE.