Durante uma cena em Gravidade, a personagem de Sandra Bullock, Ryan Stone, presa dentro de uma cápsula espacial russa com pouca esperança de sobrevivência, faz contato com uma voz masculina falando via rádio em língua estrangeira. O que se desenrola do outro lado da conversa, que ainda envolve um cão latindo e um bebê chorando, é o tema de um curta-metragem dirigido por Jonas Cuarón, filho do diretor Alfonso Cuarón, que co-escreveu o roteiro do longa para a Warner Bros.

(Foto: Divulgação)

Essa obra complementar de sete minutos, intitulada Aningaaq, foi financiada pela Warner Home Video, que inicialmente tinha a imaginado como um recurso extra exclusivo para a edição Blu-ray de Gravidade. Mas o forte e contemplativo Aningaaq desenvolveu vida própria através de sessões do festival de Veneza e Telluride. Agora, a Warner submeteu ao Oscar sua consideração na categoria curta-metragem em live-action, e deverá conseguir uma indicação ao lado de seu companheiro de sucesso. Eles estão prestes a fazer história na premiação como o primeiro longa-metragem e curta spin-off elaborado à partir do mesmo material a serem nomeados juntos no mesmo ano.

O personagem central falando ao rádio com a personagem de Bullock (Foto: Divulgação/ The Hollywood Reporter)

A ideia para Aningaaq, que mostra um pescador inuíte em um fiorde remotamente localizado na Groelândia, ocorreu aos Cuaróns enquanto eles estavam trabalhando no roteiro de Gravidade. “É aquele momento em que os espectadores e o personagem criam esperança de que Ryan finalmente vai ficar bem,” Jonas, 31, contou ao The Hollywood Report. “Então você percebe que tudo se perde na tradução.” Ambos os Cuaróns passaram algum tempo na região glacial (Alfonso inclusive uma vez brincou sobre criar um filme que se passasse por lá) e se apaixonaram com a vastidão árida dessas terras selvagens congeladas. Durante uma dessas visitas, Alfonso encontou um nativo bêbado que se tornaria a base para o personagem-título, interpretado pelo groenlandês Orto Ignatiussen. Mas só quando Jonas, em um trekking de duas semanas para coletar elementos para o curta, foi inspirado pela profunda ligação dos habitantes locais com o seus cães de trenó que ele decidiu incorporar esse elemento na trama.

(Foto: Divulgação/ The Hollywood Reporter)

O curta foi filmado em um “estilo de guerrilha” no local com um orçamento de cerca de $100.000 (aproximadamente R$ 225.000) – a maioria dos quais envolve custos da viagem da equipe de 10 pessoas – e Cuarón terminou as filmagens a tempo de fundir o diálogo na mixagem de som final de Gravidade. O resultado é uma conversa direta entre Aningaaq e Ryan, encalhada 320 km acima dele, as “histórias gêmeas” de sobrevivência de humanos isolados proporcionando coesão temática. Ainda assim, Jonas diz que ele foi cuidadoso “em torná-lo [o curta] uma peça que pudesse se manter por conta própria.” Caso ambos recebam nomeações ao Oscar, uma dinâmica interessante surgirá: dois filmes poderiam ganhar o prêmio representando os dois lados de um diálogo, sem contar que eles foram produzidos por um pai e por um filho.

Jonas e Alfonso Cuarón durante gravações (Foto: Divulgação/ The Hollywood Reporter)

Um membro da Academia que provavelmente votará em Aningaaq caso ele consiga ser nomeado é Bullock. Em uma coletiva de imprensa em Los Angeles, a estrela afirmou que o curta se trata de “uma peça de solidão absolutamente bela” e ainda completou: “Eu me arrepio ao pensar sobre.”