O número de refugiados aumentou consideravelmente nos últimos anos, inclusive no Brasil. De acordo com dados do Conselho Nacional para os Refugiados (CONARE), são mais de 8 mil refugiados reconhecidos e mais de 28 mil solicitações de refúgio no País. Essas pessoas chegam ao País em busca de uma nova vida, porém, não conhecem a cultura, as pessoas, os hábitos.

A iniciativa ‘Meu Amigo Refugiado‘ quer justamente ajudá-los nessa integração no novo país criando uma ponte entre anfitriões e refugiados que moram em São Paulo e no Rio de Janeiro interessados em participar de um natal brasileiro. O projeto foi criado pelo Migraflix, uma ação social sem fins lucrativos formada na capital paulista por imigrantes, brasileiros e refugiados que acreditam na integração social entre esses grupos.

No site, o internauta pode ler sobre o perfil de cada um dos refugiados e, inclusive, saber que prato eles poderão levar para o Natal. Depois, basta que o interessado clique em ‘convidar o refugiado e sua família para o seu natal’ e preencher um cadastro com nome, cidade e email e contar um pouco do perfil de sua família e como comemora o natal, e ainda em qual dia preferem recebê-lo, se na noite do dia 24 ou no almoço do dia 25 de dezembro.

A requisição vai para análise dos criadores do ‘Meu Amigo Refugiado’, que dão preferência para famílias que moram perto do refugiado e quantos refugiados podem receber, isso porque há alguns refugiados que vão sozinhos, mas outros vão com a família inteira. Na próxima segunda-feira, 19, o site vai entrar em contato com as famílias selecionadas.

O criador do Migraflix, Jonathan Berezovsky, contou que sua intenção era encontrar 15 famílias brasileiras dispostas a receber os 15 refugiados que querem visitar comemorações brasileiras. Em duas semanas, 600 famílias brasileiras já manifestaram interesse no site. “Só 15 famílias vão poder receber esses refugiados neste Natal, mas nós vamos fazer encontros uma vez por mês na casa de brasileiros e também na casa de refugiados no próximo ano para todo mundo ser atendido”, explica Jonathan.

A ideia da ação, segundo o site, é ‘aproveitar que o Natal é uma época de união para promover um encontro de culturas e sabores’. O criador acredita que ainda há muito preconceito no Brasil e “a melhor forma de combater o preconceito é, justamente, aproximar as culturas”.