Cientistas descobriram no Brasil quatro espécies de insetos em que as fêmeas têm pênis e os machos têm vagina. O artigo, publicado no periódico científico Current Biology, documenta pela primeira vez um pênis feminino no reino animal.

Ao contrário da crença popular, a presença ou ausência de órgão sexual não indica se o animal é macho ou fêmea. Os biólogos detectam o sexo de cada um pelo tamanho dos gametas.

Segundo a regra, a fêmea contribui com o maior gameta (célula sexual), enquanto o macho tem o menor. Nesse caso, apesar de ter um pênis, o inseto tem o gameta maior, o que indica que se trata de uma fêmea.

O estudo descreve quatro espécies relacionadas ao gênero Neotrogla. Os insetos, que têm cerca de 4 milímetros de comprimento, foram descobertos em 2010 por Rodrigo Ferreira no Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, em Itacarambi, na região norte de Minas Gerais.

À primeira vista eles parecem normais, pois são parecidos com os outros insetos das cavernas na região. Mas na hora de acasalar, a fêmea introduz seu pênis na vagina do macho em um acasalamento que dura de 40 a 70 horas.

Agora, os pesquisadores vão coletar o genoma desses insetos para comparar com uma espécie parecida. A esperança é que a informação ajude a ciência a entender como o desenvolvimento de um pênis feminino aconteceu.