Sabe aquela história do Facebook ficar sugerindo nomes errados para os rostos que aparecem nas suas fotos? Bom, parece que isso está prestes a acabar.

Segundo uma notícia divulgada pelo MIT, Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA, a rede social mais acessada do mundo teve grandes avanços no desenvolvimento de um software de reconhecimento facial. De acordo com os últimos testes, a ferramenta é quase tão eficiente quanto nós, seres humanos.

O sistema, conhecido como DeepFace, possui 97,25% de precisão – contra 97,50% de seres humanos executando a mesma função.

Como funciona

O grande problema que a maioria dos sistemas de reconhecimento de face enfrenta é que, se o rosto está um pouco fora de foco, o software tem dificuldades para encontrar uma outra imagem que corresponda a ele.

Yaniv Taigman e seus colegas de laboratório desenvolvedores do DeepFace encontraram uma maneira de solucionar isso. Eles criaram um modelo 3D de um rosto a partir de uma foto que pode ser girada até uma posição melhor para o algoritmo iniciar o mapeamento e, então, encontrar uma correspondência. Para isso, usaram uma rede neural que tinha sido testada em um enorme banco de dados de retratos para tentar igualar o rosto com algum outro semelhante.

A rede neural do Facebook foi testada em um conjunto de dados de mais de 4 milhões de imagens, que continham mais de 4.000 identidades separadas. Os desenvolvedores não disseram de onde todos esses retratos vieram, mas é muito provável que tenham vindo de nós mesmos, os usuários do Facebook.

Enquanto isso…

Na China, esse tipo de sistema não é novidade. Segundo Gary Huang, também da Universidade de Massachusetts, os chineses têm um software chamado Face++ que conta com um nível de precisão comparável a essa nova ferramenta do Facebook. O Face++ é usado no maior site de namoro online do país, o Jiayuan.com, e funciona assim: o usuário faz um upload de uma foto de alguém que ache atraente e o sistema procura na rede pessoas parecidas.

Aplicações

Para Huang, tanto o DeepFace quanto o Face ++ não são precisos o suficiente para serem usados em um tribunal, mas poderiam ser muito úteis para encontrar pessoas em imagens de câmeras de vigilância, por exemplo. De qualquer forma, por agora só nos resta especular sobre as possíveis aplicações desse novo sistema. Algo me diz que o DeepFace terá usos que vão muito além de marcar fotos automaticamente no Facebook.