Eu raramente falo sobre as minhas viagens por aqui, mas acaba sendo inevitável que as pessoas sintam curiosidade sobre isso uma vez que eu decidi pedir demissão do meu emprego em São Paulo para fazer essa pesquisa sobre a felicidade viajando pelo mundo.

Depois de 6 meses na estrada, muita gente ainda não entendia se isso era um ano sabático, se era uma viagem de volta ao mundo ou o que eu vou fazer quando eu voltar ao Brasil. Foi por causa dessas dúvidas que eu decidi escrever um pouco sobre a minha vida como uma nômade digital.

Para muitos, inclusive para mim, essa é a vida que todo mundo sonha. Poder viajar sem data definida para voltar, conhecer lugares, viver experiências e trabalhar durante o percurso. Mas, será que viajar pelo mundo fazendo o que ama (ou não) é realmente o único caminho para sair da zona de conforto e ter uma vida mais feliz e plena? Uma vida cheia de significado e propósito? A minha resposta é: talvez não.

Como não? Não é você a pessoa que está fazendo exatamente isso?

Sim, por isso mesmo. E para vocês não me acharem louca, eu explico:

1. A felicidade está dentro de você

Espero que você não pare de ler depois desse clichê de doer os olhos, mas não poderia ser mais verdadeiro. Quanto mais você busca a felicidade, quanto mais você tenta ser feliz, mais expectativas você acaba criando e elas muitas vezes prejudicam a nossa capacidade de reconhecer a felicidade.

Acho que desde o sucesso de “Comer, Rezar, Amar“ muita gente passou a achar que viajar o mundo poderia ser a solução para os problemas. Isso também acontece porque carregamos memórias de momentos incríveis das nossas férias, lembramos da dor ao fazer as malas para voltar e da depressão do primeiro dia de trabalho.

Mas, mesmo que você decida viajar por um ano inteiro, vivendo uma aventura diferente todos os dias, a realidade um dia vai bater à sua porta. E quando você voltar do seu ano sabático, será que vai estar preparado para encarar o que te espera?

OK, você percebeu que seu trabalho te permite ser um nômade digital e você vai poder viajar para sempre! Eu te garanto, depois de alguns meses isso não vai te fazer muito mais feliz do que você era antes, sabe por que? Porque viajar vai virar sua nova rotina e como toda rotina, vai ter seus momentos de chatice, tédio e encheção de saco.

Você talvez não seja mais feliz em nenhum outro lugar se já não for na sua vida normal. Se as coisas simples que acontecem no seu dia-a-dia não estão te fazendo feliz, acredite, isso não muda por você estar viajando por um longo período.

2. Viajar não vai solucionar seus problemas

Parece meio óbvio depois do primeiro item, né? Mas eu quero te cutucar um pouco mais. Independentemente de onde você esteja, você já parou para pensar no que faz a sua vida não ser pequena? Ou sobre qual é o tipo de trabalho que te faria feliz? Ou quem sabe, sobre qual é o estilo de vida que te faria mais feliz?

Nenhuma dessas respostas vão aparecer magicamente enquanto você estiver meditando em Bali ou andando pelos templos no Camboja.

Se você nunca parou para pensar nessas coisas, é bom começar essa reflexão muito antes de achar que você precisa fazer uma viagem para se encontrar. Ao contrário do que muita gente pensa, viajar pelo mundo pode fazer você ficar muito mais perdido.

3. Sonho VS Realidade

Para que a gente tenha uma vida feliz é preciso que haja equilíbrio. Tudo que acontece em excesso gera um desequilíbrio inevitável que vai acabar trazendo algum tipo de angústia ou até infelicidade. Isso vale para tudo. Beber demais, comer de menos, trabalhar demais, se divertir de menos e até, viajar demais.

O que você tem feito para trazer mais animação e alegria para a sua vida cotidiana? É bem mais fácil ter uma vida incrível viajando, sem dúvida, mas vamos combinar que ninguém é como um pássaro que migra todo inverno deixando tudo para trás todos os anos. Mesmo quando tomamos essa decisão, sabemos que isso não vai durar para sempre e se você não estiver preparado, vai ficar muito mais difícil ser feliz com uma vida normal depois de uma experiência como esta.

Essa foi uma das principais razões pela qual eu sugeri o desafio #100diasfelizescomavida. Primeiro, porque quem participa passa a prestar mais atenção nas pequenas coisas que fazem a vida mais feliz, mas também, para mostrar que mesmo viajando vocês vão poder ver o quanto a minha vida é normal.

4. A armadilha do “faça o que você ama”

Esse eu “roubei” do texto incrível que eu li esses dias – e você também deveria ler no link acima!

É uma entrevista que a Dani Arrais e a Luiza Voll da Contente fizeram com a socióloga e doutora em ciências sociais pela UNICAMP, Barbara Castro:

“Não é todo mundo que pode, efetivamente, largar tudo e botar um mochilão nas costas (e aqui não faço nenhum julgamento moral sobre isso, é só uma questão de oportunidades e de classe), isso gera uma ansiedade absurda em quem já se sente oprimido pelo trabalho.

O problema é que o que circula são sempre os casos bem sucedidos.

De quem pediu demissão e inventou um negócio bem sucedido. De quem nunca trabalhou em uma firma e vive de frila, rodando o mundo enquanto escreve uma ou outra matéria. Mas o que eu sempre me pergunto é: quem pode, efetivamente fazer isso?

Eu acho restrito, ingênuo e glamourizado. Porque amar o que você faz sempre vem acompanhado de ter dinheiro, morar em uma cidade incrível e cara e ser bem-sucedido. É um discurso de felicidade que, além de irreal pra maioria das pessoas, quem não vive de trabalhos criativos que podem ser feitos fora de uma empresa, traz um modelo de felicidade hermético.

E acho que o que a gente precisa discutir de verdade é o que existe no trabalho tal como ele é organizado hoje, que nos faz abrir esse flanco entre produção e felicidade.”

Além de não ser fácil encontrar a tal “paixão”, ninguém é feliz o tempo todo, mesmo quando ama o que faz. Sempre vão existir angústias, medos ou sapos para engolir.

5. Propósito

Outro mito gerado pela teoria de viajar o mundo para ser mais feliz é que, vivendo novas experiências, conhecendo pessoas e lugares novos vai te ajudar a encontrar o seu verdadeiro propósito, o significado da sua vida.

Parece que o fato de você estar trabalhando no seu escritório todos os dias das 9h as 18h é o que te impede de encontrar a sua vocação ou aquilo que vai te fazer verdadeiramente feliz.

Desculpe dizer isso, mas você também não vai esbarrar no propósito da sua vida andando pelas ruas de Barcelona ou de Paris. Propósito, além de nem sempre estar relacionado ao trabalho, é algo que você pode encontrar fazendo esportes, testando algo novo, se superando em algo que parecia difícil no começo, correndo riscos, se relacionando com pessoas, ou seja, aquilo que faz com que você tenha razões para sair da cama todos os dias.

O que faz as pessoas acharem que vão encontrar seus propósitos viajando é a sensação de que você vai estar usando o seu tempo de forma mais inteligente e que vai ser mais fácil se abrir para o novo, já que você não perdendo tempo no trânsito ou no trabalho que você odeia. Só que se você não tem um propósito na sua vida hoje, viajar talvez só te proporcione uma mudança de cenário.

Embora possa parecer, eu não quero te convencer de que pedir demissão de um trabalho que não te faz feliz e viajar o mundo seja uma péssima ideia. Eu fiz isso e não me arrependo nem por um minuto. Mesmo não odiando o meu trabalho e sendo muito feliz com a minha vida antes disso acontecer, eu precisava alimentar a minha avidez pelo novo, pelo desconhecido, me desafiar a sair ainda mais da zona de conforto e por isso tomei essa decisão. Mas, sempre com o pé na realidade porque ela vai vai me seguir aonde quer que eu vá.

A minha intenção aqui foi escrever exatamente o que você não espera ler quando acompanha um blog como o meu. É dizer que nem sempre você precisa tomar uma atitude como a minha para mudar o que não está fazendo você feliz ou para começar algo que você queira muito.

Quer mudar algo? Comece hoje. Isso mesmo, hoje, na sua vida normal. Não espere que algo grande aconteça para que a sua vida comece a mudar. Se você não gosta do seu emprego, peça sim demissão, mesmo que você não vá viajar. Este talvez seja o único jeito de abrir espaço para algo melhor entrar.

Mudar de país ou fazer um mochilão pelo mundo é sim incrível, mas não é a única saída para que você comece a criar coisas novas na sua vida. A sua vontade de mudar aquilo que não te faz feliz é!

“Em vez de ficar sonhando com o seu próximo destino de férias, talvez você devesse criar uma vida da qual você não precise fugir.” – Seth Godin